O site que mudou o mundo

O Dinheiro Vivo fez um especial dos 20 anos da Wikipédia. Inclui entrevista Jimmy Wales e a um dos principais editores portugueses, Gonçalo Themudo, no podcast Made in Tech, apresentado pelo @emot.

Eu contribui com um artigo de opinião: “O site que mudou o mundo”.


 
É frequente o debate sobre a utilização da Wikipédia enquanto fonte de informação. Será uma fonte fiável? Deverá ser usada como base para trabalhos na escola? Deve a imprensa citar artigos da Wikipédia, quando os usa? Mas frequentemente esse debate, com todas as legítimas questões que coloca, faz-nos perder a perspectiva sobre o que é realmente a Wikipédia, a sua importância, e como veio mudar o mundo.

A Wikipédia é apenas e só o maior projecto colaborativo da história da Humanidade. Às vezes era bom que, antes de considerarmos qualquer que seja a crítica legítima que tenhamos a apontar ao projecto, tirássemos um momento que fosse, para apreciar verdadeiramente o facto de termos à nossa disposição tal colossal acervo de informação. É algo de mágico.

Há relativamente pouco tempo, a realidade do acesso ao conhecimento era bastante diferente. Mesmo já no tempo da informática, da Internet e da digitalização do conhecimento, enciclopédias como a Encarta, da Microsoft, conseguiam fornecer bastante mais informação que as tradicionais enciclopédia em formato livro. A Encarta chegou a ter 62 mil artigos, disponibilizando versões em 7 línguas. Mas o acesso era pago, e caro. A Wikipédia tem 56 milhões de artigos, mais de 300 línguas, tudo disponível de forma gratuita. Não são realidades sequer comparáveis, são ordens de grandeza de diferença. A Encarta acabaria por encerrar em 2009 - segundo li na Wikipédia. O modelo aberto trazido pela Wikipédia chegou, viu e venceu, e tem vindo a expandir-se desde então. Às novas gerações já nem lhes passa pela cabeça que o acesso a uma enciclopédia possa não ser gratuito e facilmente acessível.
 
a minha cópia da Microsoft Encarta Encyclopedia Deluxe 2000

É claro que a informação não vai parar à Wikipédia por magia. A edição está disponível a qualquer pessoa, mas o projecto é mantido graças a uma extensa comunidade de editores voluntários que colaboram activamente no projecto, criando, melhorando, traduzindo e actualizando os artigos - actualizações essas que em certas situações chegam a ser praticamente instantâneas, escassos minutos após haver notícia da ocorrência de um facto. Estas pessoas dedicam o seu tempo a trabalhar no projecto para ajudar a tornar realidade a universalização do acesso ao conhecimento. Mas tal implica muito mais que a mera gratuitidade do acesso.

O conhecimento disponibilizado pela Wikipédia, além de gratuito, é livre. Através de licenças Creative Commons e similares, nomeadamente a Creative Commons Attribution-ShareAlike, os conteúdos do site podem ser livremente compartilhados: copiados e redistribuídos em qualquer suporte ou formato; e adaptados: remisturados, transformados, ou em geral usados como base à criação de novos conteúdos para para qualquer fim, incluindo uso comercial, desde que se atribuam devidamente os créditos e se usem licenças semelhantes. Isto não significa que o conteúdo não esteja protegido por direito de autor, bem pelo contrário. É graças ao direito de autor que estas licenças são possíveis, e o desrespeito dos termos da licença gera igualmente responsabilidade por parte dos infractores.

São estas licenças que garantem que o conteúdo disponibilizado pelos editores pode ser livremente reutilizado por quem consulta a Wikipédia e precisa da informação, sem as habituais amarras e constrangimentos características dos conteúdos sujeitos a direito do autor por defeito. É conteúdo verdadeiramente livre, colocado à disposição de quem dele precisar. As licenças garantem também que os conteúdos da Wikipédia não podem ser indevidamente aprisionados por terceiros, incluindo o próprio projecto Wikipédia. Mesmo que um dia o projecto Wikipédia acabe, qualquer pessoa pode legalmente pegar em toda a informação e continuar o projecto, ou fazer a sua versão do projecto. Isso torna esta informação bastante resiliente, e um sólido contributo para o conhecimento humano.

A Wikipédia é universal. Não cobra pelo acesso, não espia os utilizadores como forma de financiamento, e não discrimina quem pode ou não aceder à informação, seja por onde está a pessoa, pelo motivo que precisa de informação, por quem é, ou por quaisquer outros factores. A Wikipédia é o Princípio da Igualdade levado à prática. Para a Wikipédia, o conhecimento quando nasce é para todos.

Até há relativamente pouco tempo, este era um pensamento bastante radical. As restrições ao acesso eram, e continuam a ser, a forma mais óbvia de obtenção de financiamento para os projectos. Mas tais restrições implicam custos não contabilizáveis para a sociedade. Em determinadas áreas não nos podemos dar ao luxo de manter a informação fechada. E em algumas áreas a informação está fechada por "gatekeepers" bastante ineficientes, que abusam da sua posição para facturar, sem adicionar qualquer valor relevante. Felizmente as coisas têm vindo a mudar. A visão Aberta está finalmente a chegar em força à Ciência, onde esperamos que tenha um impacto igualmente revolucionário.

E em tudo isto desempenhou a Wikipédia um papel principal. Numa altura em que damos tanta atenção aos lados mais negros da Internet, cujos desafios são tais que por vezes parecem inultrapassáveis, a Wikipédia continua a ser um farol que nos recorda diariamente que existem alternativas e que é possível fazer as coisas de forma diferente. A Wikipédia demonstra que um mundo melhor é possível.

* Eduardo Santos, presidente da Associação D3 - Defesa dos Direitos Digitais

(o autor escreve com o antigo acordo ortográfico)